Disciplina - Arte

Erbo Stenzel (1911-1980)

Ícone para imagem do painel de Erbo Stenzel.
Ciclos econômicos do Paraná


Ícone para imagem da obra homem nu de erbo stenzel.
Homem Nu



Ícone para vídeo sobre vida e obra do artista paranaense Erbo Stenzel
Essa casa tem História


fotografia do artista paranaense erbo stenzel.Erbo Stenzel (1911 - 1980) foi escultor e professor paranaense, descendente de alemães e austríacos, nascido em Paranaguá.

Quando criança, estudou na Escola Alemã, que situava-se onde hoje é a Praça 19 de Dezembro. Foi aluno de Lange de Morretes e logo após estudou na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, onde formou-se com medalha de ouro. Lá o artista teve inspiração para uma de suas maiores obras, a Água para o Morro, uma escultura expressiva do sofrimento de uma afrobrasileira, com um balde d'água acima da cabeça. Ao retornar para Curitiba, em 1949, a pedido do governador da época, Moisés Lupion (1908 - 1991), tornou-se professor da Escola de Música e Belas Artes do Paraná, lecionando Anatomia e Fisiologia artísticas.

Em 1953, o governador Bento Munhoz da Rocha Neto (1905 - 1973) queria construir um monumento, devido ao centenário da emancipação do estado do Paraná. Para isso, confiou o trabalho aos artistas Erbo Stenzel e Humberto Cozzo. Com granito – a pedra de maior dureza para a escultura – provindo de Petrópolis, Stenzel esculpiu o hoje conhecido Homem Nu, representando o Paraná emancipado, vestido de todas as culturas, mas ainda não vestido de sua própria identidade – afirmam alguns críticos. A outra peça de granito de Stenzel, a Mulher Nua, deveria representar a Justiça, como a deusa Ártemis, sem armas, sem balanças, sem vendas. Mas por conta do conservadorismo, as peças foram refutadas, e de um lado para outro foram jogadas, até acabarem na Praça 19 de Dezembro, que hoje é conhecida como a “Praça do Homem Nu”.

Stenzel, além de ótimo escultor, era um renomado jogador de xadrez, vencendo vários prêmios em disputas. Também poliglota, falava alemão e estudava grego, árabe, inglês, espanhol e esperanto.

A Arte em Seu Estado – História da Arte Paranaense I. Eliana Borges e Soleni T.B.Fressato.
Portal On-line do Jornal do Curso de Comunicação da UFPR.


Fonte: www.sppert.com.br  / acesso em maio de 2011.
Recomendar esta página via e-mail: